Regulamentação Financeira e Compliance
Vácuo legislativo e mudanças em lei de leniência beneficiarão os bancos (Artigo DCI)
by Aloísio Matos
  • share it!

Artigo do DCI publicado em 27.10.2017 que contou com a colaboração de Aloísio Matos.

Ver pdf. da matéria

Link ao DCI 

 

Instituições financeiras, que foram multadas pelas regras mais rígidas de medida provisória que vigorou até outubro, poderão reduzir valores de acordo com a legislação aprovada pelo Senado

Banco Central terá mais segurança jurídica para aplicar punições sem que sejam derrubadas no STJ

Banco Central terá mais segurança jurídica para aplicar punições sem que sejam derrubadas no STJ
Foto: Divulgação

 

São Paulo – O vácuo legislativo deixado pela Medida Provisória 784 e a aprovação do Projeto de Lei da Câmara dos Deputados (PLC) 129/2017, mais conhecido como o projeto da leniência dos bancos, deverá favorecer as instituições financeiras.

 

De acordo com o sócio do PVG Advogados, Rubens Vidigal Neto, qualquer banco que tiver sido punido pelas regras da medida provisória publicada em junho e que vigorou até caducar no dia 19 de outubro poderá entrar na Justiça para discutir essa penalidade. A vantagem, diz o advogado, é que o projeto de lei aprovado na última quarta-feira (25), traz multas mais suaves para infrações administrativas cometidas pelas instituições financeiras.

 

“Um banco multado em R$ 500 milhões pela CVM [Comissão de Valores Mobiliários], por exemplo, poderá reduzir esse montante na Justiça. A nova lei prevê um teto de R$ 50 milhões para as penalidades aplicadas pela CVM, e nos juízos retroativos sempre prevalece a regra mais benéfica”, afirma.

 

Além disso, o especialista em mercado financeiro e sócio do A. Matos Advogados, Aloísio Matos, comenta que as penalidades aplicadas entre a medida provisória caducar e o projeto de lei ser aprovado também correm riscos. “Sanções eventualmente aplicadas pelo Banco Central (BC) e CVM entre 20 de outubro e a promulgação da nova lei poderão ter sua validade questionada”, diz.

 

O Projeto de Lei da Câmara 129/2017 foi criado para substituir a MP 784, que trazia as regras pelas quais o BC e a CVM poderiam punir infrações administrativas identificadas nos bancos.

 

No caso do BC, a magnitude das multas que podem ser aplicadas se manteve sob o teto de R$ 2 bilhões, como previa a MP 784, mas agora qualquer multa superior a R$ 50 milhões deverá ser submetida a um órgão colegiado composto por pelo menos um membro do BC. A regra que existia antes da medida provisória e do projeto de lei impunha que a maior multa que a autoridade monetária poderia aplicar seria da ordem de “apenas” R$ 250 mil.

 

Para o sócio do Demarest Advogados, Fábio Braga, o Congresso deveria criar um decreto legislativo para regular as questões que surgiram durante o regime da Medida Provisória. “Tem que ser feito um decreto para dar segurança jurídica a esse período de transição”, avalia o advogado.

 

Rubens Vidigal entende que apesar do vácuo legislativo, o projeto de lei enviado traz mais segurança jurídica para a atuação do BC como fiscalizador da atividade dos bancos com poder de punir.

 

Até a edição da MP 784 em junho, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) derrubou penalidades aplicadas pelo BC. O que ocorria é que as previsões de infração e de punição de empresas no mercado de capitais estavam em legislações diferentes, causando dúvidas. A jurisprudência desfavorável ao BC se fundamentou na justificativa de que “em direito sancionatório, apenas a lei pode estabelecer conduta típica ensejadora de punição, sendo entendimento firme deste STJ que as sanções previstas no artigo 44 da lei 4.595/64 somente se aplicam às hipóteses expressamente previstas nesse dispositivo”.

 

“Será mais difícil que as penas administrativas do BC e da CVM sejam derrubadas no Judiciário. Haverá mais segurança jurídica para os processos.”

 

Já a sócia da área de defesa da concorrência e compliance do L.O. Baptista Advogados, Patricia Agra, ressalta que as regras do projeto de lei, em comparação com a MP, beneficiam mais as instituições financeiras e menos as autoridades reguladoras. “O projeto de lei melhora o que existe hoje, mas piora o quadro que tínhamos com a medida provisória”, destaca.

 

Leniência dos bancos

 

Além das multas menores, Patricia cita a alteração nas regras para acordos de leniência e termos de compromisso como vitória dos bancos.

 

Pela MP 784, as instituições que desejassem fazer um termo de compromisso com o BC seriam obrigadas a confessar quaisquer infrações administrativas que tivessem cometido – algo que não é mais exigido no projeto de lei. “Da forma como está, o termo de compromisso acaba se tornando um instrumento para o banco pagar e se livrar de uma investigação”, acrescenta Patricia.

 

Para ela, ao suavizar as exigências para que se firme um termo de compromisso, o projeto de lei reduz a atratividade do acordo de leniência, que seria um instrumento importante para o avanço das investigações no setor financeiro. “O ponto é que a leniência prevê uma confissão de crime que iria direto para o Ministério Público. Esse expediente se enfraquece com as novas regras”, entende a advogada.

 

Patricia acredita que o BC deveria seguir o modelo de Termo de Compromisso de Cessação (TCC) que existe no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), e que prevê essa confissão.

 

Ricardo Bomfim

Artigos Relacionados

Nossa atuação

Estruturação legal e regulatória de produtos e serviços para instituições financeiras, instituições de pagamentos e fintechs, com foco na análise e orientação regulatória, avaliação e mitigação dos riscos de compliance e de lavagem de dinheiro.

Atuamos em diversas frentes relacionadas a operações de câmbio, seja na orientação a instituições financeiras, quanto na assessoria a pessoas físicas e jurídicas, nacionais ou estrangeiras, na realização das operações em conformidade com a regulamentação em vigor. Nossa atuação inclui: (i) orientação quanto aos requisitos legais, regulatórios e de compliance; (ii) aspectos tributários das operações de câmbio; (iii) registros e declarações ao Banco Central do Brasil (RDE-IED) (RDE-ROF) (CBE) (CADEMP); e (iv) viabilização das operações de câmbio de clientes junto a instituições financeiras parceiras.

Estudos e parecer relacionados a regulamentação, tributação e compliance relacionados a negócios no mercado financeiro, incluindo mercado de câmbio, moedas virtuais e meios de pagamento.

Auxiliamos instituições financeiras e instituições de pagamento na implementação de políticas, mecanismos, controles internos e treinamentos visando a efetiva prevenção à lavagem de dinheiro nas operações e preservação legal e reputacional das instituições, em especial nos setores de câmbio, moedas virtuais e pagamentos, altamente atrativos a criminosos e lavadores de dinheiro para realização de operações ilegais, evasão de divisas, ocultação e outros.

Auxiliamos instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil na implementação de políticas, mecanismos, controles internos e treinamentos visando o efetivo cumprimento das obrigações regulatórias pela instituição, seus controladores, conselheiros e diretores.  

Atuamos em procedimentos administrativos investigativos e sancionadores do Banco Central do Brasil em face de instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil, pessoas jurídicas e físicas, em especial em casos relacionados a falhas na prevenção à lavagem de dinheiro, controles internos, operações irregulares de câmbio e registros intempestivos.

Na Imprensa

  • Modelos de negócios para Fintechs proposto pelo BC podem trazer segurança para operações

    No entanto, o edital pode atender somente uma parte dessas startups do setor financeiro que está no mercado. O advogado especialista em mercado financeiro e sócio do A. Matos Advogados, Aloísio Matos, defende que essa regulamentação acabará atendendo às robustas e que têm condições de encarar esse ônus regulatório.

    Veja na íntegra »
  • O que o deputado Áureo ouviu do governo

    “Isso vai institucionalizar o mercado, pois abre a possibilidade para a entrada de bancos e fundos de investimento”, diz Aloísio Matos, advogado especialista em mercado financeiro e sócio fundador do escritório A. Matos Advogados

    Veja na íntegra »
  • Riscos e dicas para se investir em bitcoins e outras moedas virtuais

    Série de vídeos produzidos pelo Valor Econômico sobre Bitcoin e Moedas Virtuais conta com a participação de Aloísio Matos.  

    Veja na íntegra »
  • Leis para o Bitcoin

    Entrevista ao vivo no InfoMoney TV: o advogado Aloísio Matos explica por que moeda precisa ser regulamentada no Brasil.

    Veja na íntegra »
  • Bitcoin e os limites legais

    "Isso não significa a completa ausência de regras e limites aos negócios com moedas virtuais no país. Pelo contrário, temos uma incontável quantidade de leis e normas vigentes, sendo muitas delas amplas o suficiente para se aplicar aos negócios com moedas virtuais"

    Veja na íntegra »
  • O Bitcoin Conference contou com uma série de especialistas que deram uma aula sobre criptomoedas.

    "Todo meio de pagamento está sujeito a fraudes e com as criptomoedas isso não é diferente". Aloísio chamou atenção para fraudes cada vez mais comuns, como marketing multinível ou pirâmide, moedas virtuais falsas, corretoras falsas.

    Veja na íntegra »
  • Autarquia estuda apresentar emendas

    "Criar um procedimento para captar dinheiro no âmbito público é sempre complexo. O PL tenta facilitar a destinação dos recursos", analisa o advogado especialista em mercado financeiro, Aloísio Matos.

    Veja na íntegra »
  • Vácuo legislativo e mudanças em Lei de Leniência beneficiarão os Bancos

    O especialista em mercado financeiro e sócio do A. Matos Advogados, Aloísio Matos, comenta "Sanções eventualmente aplicadas pelo Banco Central (BC) e CVM entre 20 de outubro e a promulgação da nova lei poderão ter sua validade questionada"

    Veja na íntegra »
  • Os Riscos Legais das Operações de Câmbio

    As penalidades administrativas aplicadas a corretoras nos últimos quatro anos subiram substancialmente: R$ 1 milhão (2012), R$ 22 milhões (2013), R$ 98 milhões (2014) e R$ 567 milhões (2015).  

    Veja na íntegra »